A incrível cozinha do Parador Lumiar, e outras quatro pousadas no interior do Rio com ótimos restaurantes

O chef orgulhoso no meio de sua horta, junto à plantação de uma prima da sálvia, conhecida por nomes como peixinho de horta ou lambarizinho, porque tem textura e sabor que remetem a peixes – Foto de Bruno Agostini

Tenho um especial apreço pelo Parador Lumiar, uma das minhas pousadas preferidas no Rio. Isso porque consegue combinar duas coisas que não encontro em nenhuma outra: uma ótima estrutura, com seus chalés bem espaçados, uma sauna boa e aprazível oferta de lazer, de cachoeira a passeio de cavalo, com algo que seus rivais não conseguem: ter uma cozinha de alta qualidade.

O risoto de raízes com cogumelo eryngui, destaque do menu de 2013 – Foto de Bruno Agostini

Méritos do chef Isaias Neries, um dos que mais admiro, pelo talento, a criatividade, a perseverança e pelo fato de que ele cultiva uma horta incrível, de onde tira boa parte dos ingredientes que usa em sua cozinha (para ler uma reportagem sobre ele, clique aqui). Seus pratos são criativos e delicados, equilibrados e bonitos, originais e o mais importante de tudo: muito saborosos.

Vista para o lago e a sede da pousada – Foto de Bruno Agostini

Há outros temperos que reforçam meu carinho pelo lugar. Também gosto dali por razões afetivas: fui um dos primeiros hóspedes de lá, no começo do inverno de 2005, logo que essa hospedaria rural, bucólica e gastronômica abriu as suas porteiras. No último fim de semana saiu uma reportagem em O Globo falando sobre o trabalho do chef (deixo aqui o link). Vale a pena ler.

Tem orelha e rabinho, sim senhor – Foto de Bruno Agostini

É um lugar onde adoro estar. E acordar. Com o café embalado por bolos fresquinhos, pão de queijo, banana com canela e chia. A feijoada dos sábados me encanta, não só por ser servida no vistoso fogão a lenha, mas por ter a escolta de saladas verdadeiramente deliciosas, que nos faz dar uma maneirada na refeição. E terminamos com a pinga da casa, envelhecida 13 anos, uma beleza, que acompanha com brilhantismo o doce de abóbora caseiro, com queijo minas. Ô, sorte.

Bruschetta de tartare – Foto de Bruno Agostini (do Instagram: @brunoagostinifoto)

Gosto de ficar na piscina, fazendo sauna, dando mergulhos e petiscando (o tartare é delicioso).

Chope local: também tem – Foto de Bruno Agostini

Ficar fazendo nada, e bebendo uma boa cerveja da região, sempre disponível ali, como esse da Ranz, cervejaria de Lumiar. Enquanto isso, Maria pode estar pescando, ou andando a cavalo. É a única pousada do Rio que chego, faço o check-in e de lá não saio mais, e fico só explorando o menu, que sempre tem novidades, uma vez que muda uma vez por ano (mantendo alguns clássicos) e sempre sou surpreendido pelas receitas que saem da cabeça inquieta do baiano Isaias, que é também das pessoas mais delicadas que eu conheço neste mundo de cozinheiros.

São apenas 13 chalés, com diárias que custam a partir de R$ 780 – Foto de Bruno Agostini

Posso ficar lá de sexta a segunda, e não apenas fazer todas as refeições ali, mas também pedir vários dos petiscos, bem próprios para uma tarde vadia na beira da piscina, como o já citado tartare, mas também os seus pastéis e outras coisas do gênero belisquete. Posso jantar na sexta, um risoto de rabada, quem sabe? Almoçar a feijoada, e deixar o jantar de sábado, e as duas refeições de domingo, para conferir as novidades do menu da estação. Para ver o menu, clique aqui (aliás, quando fiz isso, fiquei feliz, ao encontrar parte de um texto meu ali na página do hotel).

SERVIÇO
Parador Lumiar: Estrada do Amargoso s/nº, Boa Esperança, 5º Distrito, Nova Friburgo. Tels. (22) 2542-4777 e 2542-4774 WhatsApp: (22) 99279-8282. contato@paradorlumiar.com www.paradorlumiar.com Preços começam em R$ 790.

—————————————————————–

Inspirado na cozinha de Isaias no Parador, faço uma pequena lista das poucas pousadas do interior do Rio onde a comida é a estrela principal, ou pelo menos está à altura das acomodações. Nessas três aí de baixo, e também no Parador Lumiar, eu posso passar um final de semana inteiro sem precisar sair para comer. Até mais tempo. Não conheço outras assim (descartando, lógico, os hotéis com sistema all-inclusive, onde não só você já pagou pela comida, como eles são – por natureza – lugares para se entrar no check-in e só sair no check-out).

* Poderia colocar na lista também a pousada Casas Brancas, em Búzios, se considerarmos não só o excelente restaurante 74, e o Bar Deck, ambos no hotel, com vistas arrebatadoras da Praia da Armação, mas também o seu restaurante avançado de praia, perto dali, o Rocka, na Praia Brava. Poderia ficar uma semana, facilmente, comendo e bebendo nesses três lugares, com cozinhas comandadas pelo chef  argentino Gustavo Rinkevich, sem dúvidas um dos melhores em ação no Estado do Rio. Pode ir conferir. Pratos de peixes e frutos do mar não menos que lindos e impecáveis. Só que em Búzios é meio impossível ficar recolhido no hotel, não é?

Le Gite d’Indaiatiba: camarões “red hot chilli pepers”, com os crustáceos deliciosamente apimentados e grelhados no ponto perfeito, servidos com arroz de pitanga – Foto de Bruno Agostini

Pousada da Alcobaça: É um dos restaurantes mais aconchegantes e reconfortantes do Rio de Janeiro, em Petrópolis. A cozinha é a mais linda que já pude ver: peça para dar uma espiada. O cardápio tem um que de Sítio do Pica-Pau Amarelo, com carne assada (incrível) e empadinhas. O cozido, servido uma vez por mês, é um acontecimento. Méritos de Dona Laura Góes, no comando de tudo, verdadeiro patrimônio da gastronomia brasileira. www.pousadadaalcobaca.com.br
Deixo aqui um post sobre um almoço dominical na Pousada da Alcobaça.

Locanda della Mimosa: Com a saída de Danio Braga da cozinha o lugar perdeu a identidade. Mas ele está de volta, há mais de um ano, trazendo com ele clientes antigos e o novos bons tempos a este restaurante emblemático na História da Gastronomia Brasileira.  Agora o chef italiano dá aulas de cozinha, ali mesmo, e no último domingo do mês são servidas pizzas, resgatando antiga tradição. No menu, uma cozinha italiana de alta classe. Não deixe de visitar a famosa adega. www.locanda.com.br

Le Gite d’Indaiatiba: O encontro de um francês com uma mineira resultou neste lugar, no meio das montanhas de Paraty, onde comemos pratos divinos, com especial destaque para o ceviche de robalo com frutas e o ravióli de taioba, entre as entradas; e  os camarões “red hot chilli pepers” e o peixe manga-rosa, com molho agridoce feito com a fruta e gengibre, falando de principais. www.legitedindaiatiba.com.br
Deixo aqui um post sobre esta pousada-restaurante que adoro.

 

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

2 thoughts on “A incrível cozinha do Parador Lumiar, e outras quatro pousadas no interior do Rio com ótimos restaurantes

  • Março 20, 2017 at 6:01 pm
    Permalink

    Fica a dica: degustação de. Ungis e deliciosos pratos da gastronomia italiana da Serra Gaúcha, com a agência Terra Bela Turismo. Como vale a pena!

    Reply
  • Março 20, 2017 at 6:03 pm
    Permalink

    Fica a dica: degustação de. Vinhos deliciosos e pratos da gastronomia italiana da Serra Gaúcha, com a agência Terra Bela Turismo. Como vale a pena!

    Reply

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *