Elia Schram deixa o Laguiole para abrir bar-restaurante: “Trabalharemos ingredientes locais, sazonais sempre buscando a qualidade, mas olhando atentamente para os preços”

O restaurante Laguiole, depois que se instalou no MAM, virou um celeiro de chefs (como já contamos aqui). Primeiro foi Pedro de Artagão, depois Ricardo Lapeyre, e em seguida Elia Schramm, que acaba de deixar a cozinha da casa, dos sócios Marcelo Torres e Jayme Drummond – que tem uma das mais impressionantes adegas do país.

Língua e foie gras, destaques dos menus de Elia Schramm – Foto de Bruno Agostini (do Instagram: @brunoagostinifoto)

Elia vai seguir os passos de seus antecessores, e abrir o seu próprio restaurante. Pedi para ele me contar um pouco de como será a sua casa.

O chef Elia Schramm, em ação no Laguiole – Foto de divulgação/Tomás Rangel

– O projeto é para final do ano. Será um bar-restaurante de comida brasileira que funcionará a noite, inclusive com programação cultural (leia-se música) e que abrirá para almoço durante a semana. O bairro muito provavelmente será o Centro da cidade, nas proximidades com a Lapa, mas ainda estamos acertando detalhes em relação ao ponto. Trabalharemos ingredientes locais, sazonais sempre buscando a qualidade, mas olhando atentamente para os preços. O mercado de luxo continua, mas a competição ali está cada vez mais difícil. Só quem tem “lastro” financeiro e está com o empreendimento já “rodando” sobreviverá a essa crise. Acredito que há espaço para todos e rogo para que chefs corajosos continuem investindo em projetos de “alta” gastronomia. A cidade e nós, amantes e consumidores desse universo, só temos a ganhar, mas para mim esse modelo tornou-se inviável. Busquei algo que se adeque ao meu “bolso”, fugindo de aluguéis indecentes na Zona Sul, grandes equipes e produtos caros. Quero que os comensais venham semanalmente ao meu bar, que se sintam em casa.
Quero comida excelente, ambiente descontraído, algum regionalismo, é claro, mas sem necessariamente ficar rotulado como “bar de comida brasileira”. Vou servir basicamente o que gostaria de ter disponível como cliente. Vai ter comida brasileira? Claro que sim, mas vai ser mais que isso! O nome ainda não foi decidido, caso se confirme o ponto que estamos negociando será algo ligado à História do samba e da cultura popular carioca – conta Elia Schramm.

Eu boto fé, no chef e no projeto.

 

 

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *