Uma incansável maratona por bares, restaurantes e outras delícias que fazem de Nova York a capital mundial da comida

Nas minhas viagens de trabalho, e de lazer também, porque todas as vezes em que saio de casa para comer, beber ou viajar eu encaro como diversão e ofício ao mesmo tempo, eu sempre faço os meus itinerários de acordo com os lugares que quero visitar. Não se trata quase nunca de museus, igrejas, monumentos ou parques, mas sim restaurantes, bares, cafés, mercados, feiras e outros endereços ligados ao mundo da alimentação.

Matéria dos tempos em que ir a seis lugares já era muito… – Reprodução/O Globo

Almoçar em dois lugar é algo mais que comum, é quase uma regra quando viajo sozinho. Depois, há sempre um lanche e uma happy hour, para terminar o dia em mais um ou dois restaurantes, e quem sabe esticando numa noitada de drinques e petiscos notívagos. Ou seja, mesmo nos dias mais intensos, seis ou sete lugares distintos são o meu limite. E a maratona em Nova York me fez lembrar dessa história aí de cima, quando ir a seis lugares no mesmo dia já era notícia.

Em Nova York o itinerário foi insano, com paradas calculadas ao longo do caminho, e outras que foram acontecendo ao acaso, e a de acordo com os achados no meio do percurso. Chegamos a visitar mais de dez lugares em um único dia. Impossível imaginar alguém mais adequado à tarefa do que o amigo Gabriel da Muda, que além da amizade que nos une, é um incansável frequentador de bares, restaurantes, botequins e outros coisas do gênero “amamos comer e beber”. Sem contar que é um assíduo frequentador e atento observador dos sabores de Nova York, que na minha opinião é, ao lado de Tóquio, a melhor cidade do mundo para se comer – porque há de tudo, e muito bem executado, sendo que a capital japonesa não é um destino fácil para estrangeiros, enquanto Nova York é.

Desde o ano passado passei a alimentar o desejo de fazer um guia de comidas de Nova York. A vontade aumentou quando fui, em janeiro, com a filha. E se consolidou de vez agora, nesta insana, divertida, calórica e alcoólica viagem com o camarada Gabriel. Foi épico.

Aos poucos, vou escrevendo aqui os posts dos lugares visitados, não todos, porque vou guardar algumas “bombinhas” para o guia.

O balcão do concorrido Attaboy, o bar derradeiro (The Long Room não conta, era saideira frequente, ao lado do hotel) – Foto de Bruno Agostini

Publico aqui a lista dos lugares visitados, classificando-os em três categorias (sem exclamação é um lugar legal, que merece ser visitado caso esteja em seu caminho).
! – Uma exclamação:  Um lugar que merece entrar no roteiro gastronômico por Nova York
!! – Duas exclamações: Vale a pena desviar o seu trajeto para visitar
!!! – Imperdível, não deixe de ir

Aqui vai a lista, em ordem cronológica, dia a dia.

 

Dia 1

Bodega by Massoni (Hotel Arlo NoMad) !

Hard Times Sundae !

Mayhem & Stout  !

Mugs Ale House !!

The Bedford !!

Grand Army !!!

Brooklin Inn !!

Caruso Pizzaria

Clover Club !!

Leyenda !

 

Dia 2
Breslin !!!

Marea !!!

Amsterdam Ale House

Red Farm !!

Bacon Bar

The Elephant, The NoMad !!

Minetta Tavern !!

Corner Bistro

 

Dia 3
Rouge Tomato !!!

Beatrice Inn !!

Rebel Coffee !!

Motorino !!

Good Beer !

Death & CO

Please Don’t Tell !!

Fuku

Casa Mono !!

BARlo, Hotel Arlo NoMad !!

The Long Room !

 

Dia 4
Burger Joint !

Quality Meats !!!

Épicerie Boulud !

Curry in a Hurry !

Handcraft Kitchen & Cocktails !!

Angel’s Share !!!

Village Yokocho !

Les Kitchen !!!

Dead Rabbit !!!

The Long Room !

 

Dia 5
Bodega by Massoni !

Defonte’s

Hometown Bar B Que !!!

Steve’s Authentic Key Lime Pie !!

Hope & Anchor

Devoción !!

L&W Oyster Co.

Vin Sur Vingt !

Massoni  !

O’Lunney’s

 

Dia 6
Ruby Tuesday

BARLo, Hotel Arlo NoMad !

Craft Bar

Momofuku Noodle Bar !!!

Insomnia Cookies !

Bubby’s !

Ample Hill’s Creamery !!

Bagatelle

Prince St. Pizza !!

Jacques

Ten Bells !!

Attaboy !!!

The Long Room !

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *