Nos arredores de Alba encontramos as trufas mais frescas da temporada, colhidas no mesmo dia

Aquela porção de terra é abençoada, que dá origem não só às trufas mais desejadas do mundo, mas também às avelãs mais ricas, além de queijos cheios de personalidade, embutidos e uma matéria-prima de alta classe que abastece as estreladas cozinhas locais. Sem falar nos vinhos… As comunas de Barolo e de Barbaresco estão bem perto de Alba, geralmente a menos de meia hora de carro. Mas quem visita a região com propósito gastronômico deve explorar cidades um pouco mais distantes, como Rochetta Tanaro, Piozzo e Farigliano, todas a menos de uma hora de carro a partir do centro de Alba.

Bochecha de cavalo na Trattoria Il Bologna – Foto de Bruno Agostini

A Trattoria Il Bologna, na área central de Rocchetta Tanaro, é um desses restaurantes que já valem a viagem. Funcionando em um antigo estábulo, o salão fica ainda mais aconchegante sob o calor da lareira, e a adega que abriga verdadeiras raridades antigas, e que merece ser vasculhada com esmero. No menu, trivialidades como um vitello tonnato impecável, ou cogumelos grelhados com gema de ovo mole, até escolhas um pouco mais excêntricas para os paladares brasileiros, como uma bochecha de cavalo cozida lentamente no vinho tinto e servida com um purê de maçã e folhas de menta. A carne equina é comum no Piemonte, e encontramos cavalos e asnos nas feiras, em forma de embutidos ou carnes curadas, e nos açougues e restaurantes.

Nebbiolo no vinhedo Bussia, de Barolo: florestas foram derrubadas nos arredores de Alba para plantar uvas – Foto de Bruno Agostini

Na área de Alba propriamente dita quase já não se encontram trufas. Seus bosques foram todos derrubados. Mas por uma boa causa: nos vilarejos dos arredores da cidade são produzidos dois dos grandes vinhos da Itália, à altura da nobreza das trufas: os primos Barolo e Barbaresco, feitos com a mesma uva Nebiollo, e as grandes estrelas da enologia local.

Fonduta de queijos e cardo com ovo e chuva de trufas, no La Speranza, em Farigliano – Foto de Bruno Agostini.

As florestas preservadas onde crescem as trufas estão um pouco mais distantes, fora das zonas vinícolas, em cidades como Farigliano. Ali encontramos um dos melhores restaurantes para se deliciar com as trufas. No La Speranza o casal Maurizio e Sabrina Quaranta se revezam entre a cozinha e o salão. As trufas servidas ali geralmente foram colhidas pela manhã, naquele mesmo dia, o que faz toda a diferença. Além de massas e carnes servidas com a nobre cobertura, uma fonduta de queijo com ovo mole arranca suspiros.

A cerveja escura Brune, na cervejaria de Teo Musso, em Piozzo – Foto de Bruno Agostini

Nesta área famosa pelos vinhos, a cerveja também merece destaque. Não muito longe dali está Piozzo, da famosa cervejaria Baladin, do irreverente Teo Musso, que abriu no local um bar e restaurante que serve a bebida diretamente da torneira, além de um pequeno hotel, ambos na praça central da cidade (para ler uma reportagem sobre a cervejaria e o hotel, clique aqui).

A impecável cotoletta di vitello alla milanese do La Cinzia, em Vercelli – Foto de Bruno Agostini

Aos apreciadores dos risotos, uma esticada até Vercelli, a pouco mais de 100 quilômetros de distância, é um programa fundamental. Conhecida como a capital do arroz carnaroli, a cidade é cercado por plantações do grão. No restaurante e hotel Cinzia ele é tratado com raro talento.

O fantástico risoto de codorna com foie gras e fonduta de queijos piemonteses, criação genial no La Cinzia – Foto de Bruno Agostini

O cardápio dos irmãos Christian e Manuel Costardi explora todas as suas possibilidades, desde receitas tradicionais, como a “panissa alla vercellese, um risoto com favas, linguiça e vinho tinto, até combinações de perfil mais autoral, como o fantástico risoto de codorna com foie gras e fonduta de queijos piemonteses, criação genial que usa o fígado gordo de pato no lugar de manteiga para dar textura mais cremosa – um desses pratos que sozinhos já valem a viagem até lá.

 

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *