De Nova York para o Rio, com escala em São Paulo: Burger Joint abre as portas no Fashion Mall

Logomarca em neon, na entrada do Burger Joint original, no lobby do Le Park Meridien – Foto de Bruno Agostini

Nova York tem mesmo muitos lugares que nos surpreendem. Entremos no lobby muito chique do hotel Le Parker Meridien, um dos mais luxuosos de Midtown, e à esquerda muito discretamente vemos a logomarca de neon, desenhando um hambúrguer fumegante. Quem conhece sabe que se trata do Burger Joint, autoridade no assunto em Nova York, que é certamente a cidade que é a grande referência mundial neste tipo de sanduíche, com antiga tradição, onde podemos encontrar excelentes exemplares em toda a parte, de barracas de rua aos mais sofisticados restaurantes.

Paredes e mesas rabiscadas e pôsteres marcam a decoração – Foto de Bruno Agostini

É um contraste sair do lobby polido, com mármores e lustres suntuosos, e entrar na pequena portinha, que abre caminho para uma espécie de inferninho, com paredes pichadas, pôsteres de filmes e bandas de rock e aquele leve perfume de gordura no ar. Chegamos pouco depois do meio-dia, o que nos garantiu um atendimento tranquilo. Não havia fila. Mas, em 40 minutos o lugar ficou lotado, com longas filas, mesas ocupadas, às vezes partilhadas por desconhecidos, e um público variado, muitos deles executivos engravatados.

Pouco depois do meio-dia a loja de Midtown fica lotada – Foto de Bruno Agostini

“Aqui neste pequeno espaço vendemos em média mil hambúrgueres por dia. Até mais, 1.500, 1.800”, diz Marisa Zafran, relações-públicas da Burger Joint em Nova York.

The Works: com salada, maionese da casa, picles e dupla de queijos – Foto de Bruno Agostini

Vale a pena. Seguindo a linhagem tradicional, vem um burger bem grelhado, com queijo derretido, abundantemente, e já lambuzado com um pouco de ketchup. Rodelas de cebola crua e tomate, e folhas de alface americana completam o sanduíche, abraçado por pão macio que absorve esses sucos todos, da carne e dos adereços, que se misturam formando aquele conjunto delicioso que adoramos. Pedimos fritas para escoltar como manda a regra, e quem quiser tem umas cervejinhas pra lupular a brincadeira, e se contrapor às gorduras.

Relativamente jovem, o Burger Joint nasceu em Nova York, 2002, e se recentemente começou a se espalhar pelo mundo, com lojas na Coreia do Sul, Cingapura, Dubai, Abu Dhabi e no Brasil. Primeiro em São Paulo, onde tem dois endereços, e desde a segunda-feira passada funcionando no Rio, no andar de restaurantes que fez do Fashion Mall um dos melhores lugares da cidade para se comer, renovando o shopping de luxo que há muito tem movimento caído. Fica ao lado do ótimo Pipo, de Felipe Bronze, a poucos passos do Gurumê, o japa esperto, jovial e com boa comida a preços legais, e do Pobre Juan, onde encontramos hoje a melhor carne do Rio. E fica de frente para a CT Brasserie, o porto seguro da cozinha clássica com assinatura da família Troisgros, e do Chez L’Ami Martin, do chef Pascal Joly, outro francês que celebra a cozinha tradicional de seu país com acerto. Ou seja, num pequeno espaço temos seis lugares muito bacanas, e variados, para uma refeição. Em breve o Rio ganha outra filial, desta vez no Bossa Nova Mall, grata surpresa anexa ao aeroporto Santos Dumont, onde há bons restaurantes e um bar incrível, no terraço do hotel Prodigy, com vista espetacular da Baía de Guanabara, com o Pão de Açúcar ao fundo, panorama que tanto gostávamos ao desembarcar ali, antes dos fingers, nos tempos em que descíamos pelas escadas até a pista.

Close no The Works – Foto de Bruno Agostini

A casa carioca serve o hambúrguer em diferentes versões de acabamento. São 140 gramas de carne de gado angus moída, por R$ 16. Com queijos colby e cheddar branco, o cheeseburger custa R$ 18. A versão mais completa atende pelo nome de Lazy Boy, e sai por R$ 23. Além da carne e da dupla de queijos, tem alface, tomate, cebola roxa, picles e maionese da casa, ketchup e mostarda dijon, e generosa fatia de bacon.

Vegetarianos não foram esquecidos, e para eles existe o a casa apresenta o Veggie Porn (R$ 20), feito com queijo camembert empanado, alface, tomate, cebola roxa, picles e a maionese da casa. Versão irreverente é Ogroburger, vendido a R$ 29, que é o Veggie Porn acrescido de um burger carnívoro e suculento. Para beber, uma Brooklin IPA é a melhor pedida. E, para encerrar, Milkshake Ben&Jerry’s (R$ 18, nos sabores chocolate, baunilha e morango), ou brownie (R$ 7).

Não faltam hoje boas hamburguerias, e bons restaurantes que servem o sanduíche. O Burger Joint veio para brigar entre os melhores.

SERVIÇO
Burger Joint – Fashion Mall, Estrada da Gávea 899, São Conrado. www.burgerjointny.com

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *