O Eataly NYC Downtown, a sua exclusiva cerveja escura e um agnolotti dal plin que é uma viagem ao Piemonte

No carro, voltando pra casa depois da viagem, vamos lembrando alguns momentos. Não faltam memórias gastronômicas, dos cookies de Thomas Keller em sua Bouchon Bakery aos shakes do Black Tap; dos sanduíches de pastrami (para ler, clique aqui e aqui) às ostras do Grand central terminal. Até que a Maria se vira pra mim, e diz.

– Papai, aquela massa com polvo estava muito boa… Muito boa mesmo… Mas eu gostei mais daquele dal plin. Nem tinha estrela nenhuma, né? Foi o melhor prato. O do polvo tinha duas estrelas.

Ela estava comparando dois restaurantes italianos, dois pratos de massa: o “fusilli with baby octopus and bone marrow”, do Marea, e o agnolotti dal plin, do Eataly. Sem dúvidas, dois dos momentos mais marcantes da viagem.

O primeiro já foi tema de um post recente aqui. O segundo ainda não.

O bar do Eataly, que vende vinhos em taça e cervejas – Foto de Bruno Agostini

O Eataly é mesmo uma visita obrigatória, mesmo em sua versão “picola”, no complexo comercial que integra o metrô ao One World Trade Center e ao Memorial do 11 de Setembro. No final da viagem nos hospedamos no novo Four Seasons, de Downtown, um dos símbolos do momento atual do centro financeiro de Manhattan, que renasceu nos últimos anos, com a reconstrução do WTC e uma série de novidades, incluindo hotéis e restaurantes – e em breve o Fulton Marketing vai ganhar um prédio novo à beira-rio, com amplos terraços com vista para o East River e o Brooklin, com a sua emblemática ponte como decoração da paisagem.

Descobrimos a filial do Eataly, e passamos por lá, para uns comes e bebes. Fiquei só na cerveja, a deliciosa Dogfish Head Siracusa Nera. Chamar essa cerveja de excepcional é pouco. Uma incrível Oak Aged Russian Imperial Stout com 10% ABV. Abri mão até de um Barolo na taça em nome dela, que é feita com exclusividade pela Dogfish Head para o Eataly de Nova York. Boa demais. Só por ela já valeria a pena visitar o Eataly. On tap, então, é a glória em estado líquido.

Conservas de atum e sardinha – Foto de Bruno Agoistini

No dia seguinte, voltamos para o almoço de despedida. Eram cerca de 13h, e os restaurantes do Eataly estavam todos lotados. Para festejar os dez anos do mercado de comidas italianas estavam acontecendo algumas degustações de produtos. Entre eles, havia a oferta de um agnolotti dal plin, que perecia mesmo bom. Chamei a atenção da filha, dizendo que aquela era uma das minhas massas preferidas, típicas do Piemonte, neste caso feito com duas carnes, porco e vitelo, como anunciado na plaquinha (há quem também use carnes de aves ou coelho na receita). Ela provou. Adorou. Pediu mais um.

E nós fomos atrás do prato, que é servido em quase todas as áreas da “praça de alimentação” ali do Eataly de Downtown, exceto na osteria. A fila de espera estava grande, e nosso horário estava um pouco apertado, já que às 15h nosso motorista passaria para nos levar ao aeroporto. No balcão da cozinha que finaliza os pratos de massa, esperamos um casal sair, e nos sentamos. Um dal plin pra Maria, uma pizza napolitana (da grife Rossopomodoro).

A pizza napolitana, com um branco da Umbria – Foto de Bruno Agostini

Os pratos chegam em menos de cinco minutos.

O agnolotti dal plin, com carne de porco e vitelo – Foto de Bruno Agostini

Acabei me arrependendo de não ter pedido o mesmo que a filha. A pizza estava boa, muito boa até… Mas o dal plin… Massa delicada, com o recheio saboroso, e aquele molho denso e escuro, resultado do cozimento das carnes de porco e vitelo, cheio de gelatinas e untuosidade – e com um toque de trufas negras. Um queijinho ralado por cima, de leve. Uma admirável execução, coisa de quem tem mesmo experiência com este prato (no Eataly Lingotto, em Turim, funcionou uma filial do restaurante Guido da Costigliole, a maior autoridade no assunto “agnolotto dal plin”). No Eataly, custa US$ 29, e é das melhores maneiras de ser feliz em Nova York com este valor.

Tão bom mesmo, que me deixou feliz a lembrança da filha, e a comparação com o fusilli do Marea.

O que posso dizer é que tanto o fusilli com polvo e tutano quanto o agnolotti dal plin, mesmo o do Eataly nova-iorquino, estão entre os pratos preferidos de toda a vida.

SERVIÇO
Eataly – 101 Liberty Street, NY 10006. Tel.  (+01) 212-897-2895. Diariamente, das 7h às 23h. Site: https://www.eataly.com/us_en/stores/nyc-downtown/

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *