Ostras com Stout, uma combinação perfeita, ainda mais no Oyster Bar do Grand Central Terminal

“Good choice”, respondeu o garçom, ao ouvir o meu pedido, para acompanhar a seleção de ostras, que solicitei que ele mesmo fizesse: para beber, fui na chamada Flagship Oyster Bar Stout, uma cerveja escura produzida exclusivamente para o restaurante, o mais famoso dos tantos que funcionam no Grand Central Terminal, em Nova York.

A stout da casa, e uma seleção de ostras sugerida pelo garçom – Foto de Bruno Agostini

Aqui no Brasil ainda causa certo estranhamento uma cerveja escura, com tons adocicados, ser a escolha para um belo prato de ostras. Mas, vai por mim, funciona, e fica mesmo ótimo. O contraste da salinidade e o frescor do marisco com o amargor, a doçura e o corpo da cerveja dá um ótimo resultado. A tradição vem da Irlanda, onde a Guinness, e outras do gênero, é a companheira clássica para as ostras cruas.

A sugestão tem respaldo do mestre Hugh Jonhson, que em seus guias de vinho, na parte em que faz sugestões de harmonização, ele lista, como melhor companhia para ostras cruas, champanhes não safrados, Chablis Premier Cru, Muscadet, Graves branco, Sauvignon Blanc (de uma maneira geral) e… Guinness.

Se forem cozidas, ele sugere Puligny-Montrachet, um bom chardonnay do Novo Mundo, e Champanhe (em geral). Ele não fala de stout aqui, neste caso de ostras que passam pelo calor, mas já provei com elas empanadas, e fica ótimo (eram fritas á moda japonesa, e servidas com uma espécie de teriaki e pimenta togarashi). Pode mandar uma Guinness, que também fica lindo.

Nos dois casos, cruas ou cozidas (fritas, gratinadas etc) eu acrescento ainda, alguns estilos belgas, como uma boa lambic, uma geuze ou mesmo uma saison (frita ou ao forno, ainda sugiro uma Tripel). Outra experiência interessante é combinar ostras com uma rauchbier: fica delicioso. Já provou vieiras, ou outro marisco, com bacon? Não é bom? Seguimos a mesma lógica aqui.

E mais: Ostras, bloody mary e stout no Grand Central Oyster Bar, ícone de Nova York

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

2 thoughts on “Ostras com Stout, uma combinação perfeita, ainda mais no Oyster Bar do Grand Central Terminal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *