Vem aí o mais completo guia de comidas do Rio de Janeiro, cobrindo a capital e o interior

Estátua dos pescadores na Orla Bardot, em Búzios: próxima parada – Foto de Bruno Agostini

O mês de abril vai começar, e como sempre traz com ele a melhor temporada no Rio de Janeiro, e na Região Sudeste como um todo. Com o fim do verão vão se embora as temperaturas altas que hoje em dia atingem até as regiões montanhosas, e as chuvas que são sempre perigosas por aqui, com suas enchentes, deslizamentos e outros transtornos.  O outono chega atenuando as temperaturas, e para qualquer lugar que se vá, de Paraty a Búzios, de Visconde de Mauá a Nova Friburgo, os programas tendem a ser bem mais agradáveis, com dias ensolarados e não muito quentes, no litoral, e aquele frio que tanto gostamos, nas montanhas.

Com uma sequência de feriados, tema do post seguinte, o carioca (e o paulista, e o mineiro) encontram ótimas oportunidades para cair na estrada e curtir o clima agradável da estação, que inspira refeições mais robustas e o aconchego de uma boa churrasqueira ou fogão a lenha, ou lareira.

Um beija-flor junto à janela do restaurante Vernissage, em Penedo – Foto de Bruno Agostini

Estou começando a produzir um guia de comidas no Rio de Janeiro, capital e interior, listando os melhores bares, restaurantes, cafés, padarias, lanchonetes e outros espaços gastronômicos, um trabalho de fôlego, que vai consumir muitos meses e viagens, muitas calorias e fotografias. Começamos por Penedo e Visconde de Mauá, passamos por Lumiar e o Circuito Terê-Fri, e na próxima semana vamos em direção ao litoral, para explorar as cozinhas buzianas, sempre um ótimo lugar para se passear, comer e lagartear nas suas lindas praias (menos no verão, quando o balneário se torna insuportavelmente cheio. Búzios, pra mim, é bom mesmo entre abril e setembro, até nos feriados – exceto a Semana Santa, quando fica lotado).

Com tantas novidades recentes ainda não visitadas, e outros endereços lendários que ainda não fui, ou se fui já faz muito tempo, a cidade do Rio vai merecer especial atenção. A Barra, por exemplo… Preciso passar uns 15 dias por lá, só indo aonde nunca fui.

Tudo isso para dizer que conto com os amigos para me indicarem lugares bacanas, ou desses tantos que abriram as portas recentemente, quando aqueles segredinhos bem guardados, que estou doido para compartilhar com outras pessoas, se é que me permite.

Desde já, obrigado.

 

admin

Bruno Agostini é carioca, jornalista e fotógrafo. Especializado em turismo, gastronomia, vinhos e cervejas, viaja o mundo atrás de boas histórias, e da boa mesa. Com passagens por empresas como Jornal do Brasil, O Globo e Editora Abril, foi inspetor de restaurantes do Guia Quatro Rodas e é autor de livros, como guias de viagem, vinhos e restaurantes. Atualmente atua como freelancer, escrevendo para veículos especializados, entre jornais, sites e revistas, como Época Rio, Top Destinos, Carbono Uomo, Eatin’Out e Baco, entre outras. Contato: bagostini@gmail.com Instagram: @brunoagostinifoto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *